12 junho, 2018

Recado...


Alguns candidatos a presidente tem propagado que farão mudanças radicais em várias áreas, inclusive na tributária, tudo seria muito interessante não houvesse um pequeno detalhe, sem o apoio do Congresso não fará mudança alguma, seja ele quem for.

Pois bem, terá que “conquistar” os nobres deputados e ai que mora o perigo, pois certamente não será pelos belos olhos, muitas benesses terão que ser promovidas, no melhor estilo “é dando que se recebe”, levando à continuidade da corrupção.

Tudo isto por um simples motivo, inclusive já escrevi sobre isso, quando do plebiscito sobre o estilo de governo, povo (sempre ele) escolheu o presidencialismo, muitos por desconhecerem os demais sistemas, porém os congressistas da época redigiram uma carta magna apostando que o sistema vencedor seria o parlamentarismo o que nos levou a situação atual, onde o presidente é obrigado a governar por decretos, que também são limitados constitucionalmente. Os seja, ou loteia o governo ou não governa resultando neste festival de ministérios guarda-roupas.
Ou seja, ou se realiza uma nova assembléia constituinte ou se altera o sistema de governo, escolham qual seria mais fácil.

Já pelas bandas locais, a justiça autorizou a licitação do transporte coletivo, porém a prefeitura demonstrando toda sua agilidade e interesse pela questão comunicou que não poderá realiza-lo agora, pois precisa realizar novos estudos, resumindo, esquece.

Assim caminha a mediocridade...

07 junho, 2018

06 junho, 2018

Divagações...

Estes dias perguntaram-me se sou amigo de Deus ou do Diabo (sim em letra maiúscula, pois quem perguntou deve considera-lo uma divindade do mal), tentei demonstrar que se tratava de pergunta retórica, que não fazia sentido responde-la, não obtive êxito, inclusive fui acusado de ter parceria com o “cramulhão”.

O que foi resolvido com a contra resposta de que era amigo de Deus, o que beira a heresia, pois para que qualquer ser vivente poder ser dignar a honrar esta afirmação terá que a merecer, agindo a Sua imagem e semelhança. O que inclui não desejar de forma alguma mal ao próximo, saber dar a outra face, não se corromper (furar a fila, por exemplo), etc.

Desta forma posso dizer que sim sou amigo Dele, ou melhor, um dia espero merecer ser.
Quanto a outra entidade, sinto informar que não creio nela, que foi criada na idade média para convencer cidadãos à conversão católica. Claro que o mal existe, espíritos malignos estão a espreita do momento certo de agir, naquele em que nos embebedamos, nos drogamos, elaboramos roubos, assassinatos, etc.

Não espero impor meus pensamentos, que expus de maneira simplória acima, mas peço que ao menos os respeitem, com respeitos os vossos.
Só para constar sou kardecista.

Assim caminha a mediocridade...

30 maio, 2018

Engano...


O interessante neste imbróglio com os caminhoneiros é ver que quem apoia diz que luta por um país melhor, mais justo é primeiro a correr para o supermercado e comprar muito, mas muito mais do que precisa, pensando só em si, os demais que realmente podem precisar não encontrarão o produto que precisam, são aqueles que enchem o tanque do carro, vão para casa, retiram o combustível e voltam a encher, no melhor estilo “farinha pouca, meu pirão primeiro”.
Até me arrepio em pensar em quem esta turma vai votar.

Outro assunto que tenho visto pelas redes é o de que como não tem político que presta não vou votar em ninguém, com a ilusão de que estará fazendo um bem para si e para o país.
Ledo engano, quem vota em branco, anula o voto ou abstém-se está concordando com o resultado final, além de diminuir o coeficiente eleitoral podendo com isto evitar um segundo turno.

Se não está bom, vote pela mudança, não deu certo, vote para mudar novamente e assim sucessivamente.

Aliás, uma boa democracia se cria com alternância de poder, de preferencia uma mudança ampla total e irrestrita, evitando a “perpetuação” no poder. Ou não?

Assim caminha a mediocridade...

29 maio, 2018

Medo...

Neste dias sombrios um pouco de humor sobre a vida real...


28 maio, 2018

Divagações de final de Maio


Quanto à greve dos caminhoneiros apoio, só não concordo com bloqueio a estradas, obrigação de aderir, proibição de desistir, etc. Uma greve para ser legitima deve contar com a adesão voluntária, simples assim.
Além do que eles não têm o direito de revistar carro algum.

Quanto ao desabastecimento coloco na conta de parte da população, que desvairadamente saiu comprando muito mais do que precisaria para meses de consumo, o que demostra o despreparo, destempero e o egoísmo, pois se todos comprassem, abastecem, como o fazem normalmente os estoques durariam mais e mais pessoas seriam atendidas, ou alguém precisa de 30kg de arroz na dispensa?

Outro assunto em voga é a tal intervenção militar, como nasci no final de 1963, cresci durante a tal revolução militar, vivi o milagre de 1974, que foi feito com dinheiro do antigo INPS, cuja conta está sendo paga agora por nós.
Quem não é da época não sabe o que é ter que pagar uma fortuna por uma linha telefônica, só para citar um exemplo. Não foi um mar de flores como propagam.

O problema é que vem eleição ai, pelo o que vemos, mais um aventureiro pode ser eleito, só que desta vez de direita, aquele que fala o que a população quer ouvir, mas só fala, não faz e não fará nem perto do que propaga, pois sem o congresso na mão não governará.

Mas como dizem e concordo cada um tem sua opinião, que posso não concordar, mas devo respeitar.

Em tempo, o “prefeiton” vai tentar colocar a falta de medicamentos na conta da greve, só lembrando, faltam há muito mais tempo.

Assim caminha a mediocridade...

14 maio, 2018

Lerdeza...


Conforme prometido em campanha política, Joinville virou um canteiro de obras, só que um pequeno problema, ou estão paradas ou em passo de tartaruga, sendo que a grande maioria já virou lenda urbana, como as tais pontes.

A obra interminável de revitalização da Rua São Paulo já consumiu milhões e agora está parada por falta de dinheiro ocasionada pelo reajuste devido a demora de realização do projeto, que deveria estar pronto a mais de ano caiu em um ciclo vicioso, não acaba porque falta dinheiro, falta dinheiro porque não acaba .

As tais obras para contenção de enchentes desenvolvem-se no mesmo ritmo, lentamente, bem lentamente. E como já escrevi, não acredito em sua eficácia, muito menos na tal comporta proposta por um vereador, nada disto adiantará sem a dragagem do Rio Cachoeira, que está com 18m de assoreamento na parte central e com 30m na ponte do Trabalhador.

A desculpa para não dragar é que não sabem o que fazer com o lodo a ser retirado, aliás, até hoje não sabem se o mesmo contém metal pesado, ou não. Sem a dragagem, o centro da cidade, que está a -4m em relação ao nível do mar vai continuar alagando na preamar, como já vimos acontecer em dia sem um pingo de chuva, a água salgada verte pelos bueiros.

É interessante também notar que a tal guarda municipal só serve para multar, pois nestes dias de caos no trânsito eles somem; não se arriscam a ajudar o trânsito fluir.

Assim caminha a mediocridade...

11 maio, 2018

Divagações corruptivas...


Estamos em um ano interessante, temos Copa e eleição no segundo semestre, nestes eventos uma coincidência, a corrupção.
Em relação à Copa pouco podemos fazer, é caso para a Interpol, só no caso da passada, a “nossa”, que até a agora deve ostentar o título de campeã da corrupção, podemos exigir apuração séria, embora corrupção privada não seja crime no país.

Já no caso da eleição, devemos em primeiro lugar exigir transparência total da apuração, com a divulgação de cada mapa de urna, pré e pós votação. No caso do pré, quando da abertura da urna o relatoria deveria ser exposto, logo após a conferência, na entrada da sala da urna. O pós logo após a validação do mesmo.
Medidas simples que aumentariam em muito a lisura do pleito.

Outro fato interessante neste período é a quantidade de legendas partidárias que “brotam”, estas sugiro que, se realmente querem chegar a algum lugar neste vasto cardápio partidário brasileiro, divulguem amplamente seu regimento, pensamento econômico, presidente e, principalmente, os reais motivos que os levaram a criar um novo partido.
Isto posto, talvez convençam os possíveis filiados que não passam de uma legenda de aluguel.
Quanto às legendas consolidadas, aquelas que vêm governando e dilapidando o país há anos, não será surpresa que se unam em coligações criativas para tentar escapar das garras da justiça, cabe a nós eleitores extirpá-los do poder.

E para encerar, os prefeitos que se cuidem, o STF revogou o foro privilegiado para os casos de improbidade administrativa, conheço um que as comete em várias áreas de sua “geston”.

Bom final de semana...