26 abril, 2017

Pingos sem is...

Quarta...

Certa vez escutei de um político, em uma reunião de promessas vagas, a seguinte frase: “Às vezes democracia demais atrapalha”, o que não deixa de ser verdade. Vamos aos fatos...

Desde a década de 80, quando entrei no mercado de trabalho, escuto que precisamos de reformas trabalhista e tributária, que a primeira é arcaica e a segunda extorsiva, que atrapalham o desenvolvimento econômico, etc.

Pois bem, depois de décadas de discussões vazias sobre a reforma trabalhista ela ocorrerá, como toda mudança terá resistências, necessitará de adequações e complementos, com certeza não será a ideal, porém será um começo.
Como todo processo deverá ser revisto e melhorado de tempos em tempos para que funcione melhor, isto em uma empresa, em um País onde o Congresso manda mais que o Presidente; não sei, ainda mais sendo o nosso “ilibado” Congresso.

A reforma tributária inexiste, ou melhor, existe para melhorar a pilhagem, como agora. Os prefeitos pediram ao Congresso um novo imposto municipal sobre os combustíveis, sim, querem mais dinheiro, porque para administrar com o montante que se tem é impossível para eles, sendo que a expressão “corte de custo e controle de gastos” não consta no alfarrábio deles.

Em tempo, quanto a greve de sexta não participarei, primeiro porque sei que embora “cruéis” (como dizem eles) as reformas são necessárias e segundo, não menos importante, por ser de iniciativa da CUT e seus apaniguados, que na verdade visa apoiar o grande Capo.
Se bem que não deixa de ser tentador fazer greve em uma sexta em um final de semana com feriado na segunda.


Assim caminha a mediocridade...

25 abril, 2017

Velhos hábitos...

Terça...

A folha está estampando em seu site uma prática antiga, a de divulgar com antecedência o resultado de uma licitação, esta do Banco do Brasil, o que demonstra que mesmo com a “Lava-Jato” em curso não se sentem intimidados, pois confiam na impunidade reinante no país.

Em um primeiro momento, como muitos, pensei: “mais do mesmo”, o que não deve estar longe da verdade, porém agora me veio a mente que foram 13 anos de aParelhamenTo das estatais, que mudanças superficiais não alteram os métodos em vigor.

Enquanto não houver uma limpeza ampla total e irrestrita, muitos continuaram nos cargos estratégicos de segundo e terceiro escalão.
Não se iludam que pedirão para sair, não abandonarão a “boquinha” e quando removidos alardearão que foi por perseguição política.

Traduzindo, a corrupção não se intimida, pois assim como a água, consegue um caminho, por menor seja, para seguir.


Assim caminha a mediocridade...

24 abril, 2017

Deriva...

Segunda...

A que ponto chegamos, o atual alcaide alardeia aos quatro ventos que o grande mérito da sua atual gestão é manter os salários em dia.

Pois bem, isto é o básico da administração, porém esta afirmação deve englobar todos os encargos sociais inerentes ao salário de cada servidor, ou seja, a parte do empregado e do empregador deve ser repassada para os órgãos em questão, como a Receita e a Previdência, já que funcionário público não possui FGTS.

Aqui aparece a inverdade, no montante que cabe a Previdência a parte do empregador não é repassada, criando uma dívida, prática executada há anos por diversos alcaides, que depois renegociam a dívida a juros irrisórios com prazos longos, extorquindo o trabalhador e lesando a Previdência.

Crime recorrente que fica por isto mesmo, com Câmara e MP fazendo vistas grossas em nome da uma falsa governabilidade.

Enquanto isso Elliv Nioj continua a deriva, são 10 anos de administrações pífias, que só fazem o feudo perder 40 anos em 4.


Assim caminha a mediocridade...

P.S.: Isto é uma obra de ficção, qualquer semelhança será mera coincidência.

21 abril, 2017

Galos...

Sexta...

Como existe uma polêmica quanto aos galos, tão discutidos na câmara de vereadores de Joinville, deixarei uma sugestão (os ambientalistas que me perdoem) do que fazer com alguns deles.
Embora todos saibamos que galo possua a carne dura, assim como o frango caipira, carne original deste prato, o que se resolve com tempo de cozimento.

Galo com milho verde
Ingredientes:
10 pedaços de galo cortado nas juntas
2 espigas ou 1 lata de milho verde
1 cebola picada.
1 maço de cebolinha verde picada
4 colheres de sopa de manteiga
150 ml de leite de coco.
Sal
Pimenta do reino branca moída
Orégano
Preparo:
Tempere o frango com sal e pimenta e orégano e deixe marinar por meia hora.
Em uma panela grande, aqueça a manteiga e doure os pedaços do galo.
Junte a cebola, o milho e acerte o sal e a pimenta e mexa bem.
Adicione o leite de coco e água até cobrir.
Assim que ferver, abaixe o fogo e cozinhe por uma hora e meia se necessário acrescente mais água.
O molho deve ficar encorpado.
Sirva salpicando cebolinha verde.


Bom final de semana.

20 abril, 2017

Dúvida...

Quinta...

A tirinha de hoje é uma homenagem à capacidade de planejamento urbano da prefeitura de certa cidade do norte catarinense.



18 abril, 2017

Ops...

Terça...

Esta é para pensar. (No estilo curto e grosso)

O assunto da reforma da previdência social tem nos mostrado que as feministas lutam pela igualdade de direito, no que estão cobertas de razão, mas não de deveres.

Assim caminha a mediocridade...

17 abril, 2017

Elliv Nioj..

Segunda...

Como nada está tão ruim que não possa piorar e o IPPUE se esmera em demonizar os automóveis, vem ai mais uma mudança no trânsito de Elliv Nioj em prol da (i)mobilidade urbana.

Não bastasse termos um lado de uma avenida de pista dupla, raras no feudo, inativo, pois ficou destinado aos ônibus que passam por ali a uma média de exacerbada de dois por hora, isto no sentido sul, porque no sentido norte não vi um por ali até hoje, o que demonstra a grande utilização para justificar tal medida.

Porém agora vem o suprassumo das medidas geniais, tornar exclusiva para ônibus umas das três, sim só três, ruas que cortam o centro, que além de engarrafar de vez diminuirá as parcas vagas de estacionamento existentes, além de prejudicar o acesso ao comércio e a Biblioteca Pública.
Aliás, não consultam ninguém para as mudanças de trânsito.

Parece-nos que similar ao que acontece no Reino, onde se descobriu que uma empreiteira governava-o desde o século passado, no feudo os proprietários das concessionárias de transporte coletivo que definem o trânsito ao seu bel prazer, usando a máxima que isto ajuda a baratear o custo da passagem, que não passa de um engodo, pois possuímos umas das mais cara do reino, certamente a com pior custo/beneficio.

Enquanto estes desmandos acontecem os nobres Edis gastam seu belo tempo, pagos pelos nossos impostos, discutindo o destino de 10 galos de briga.

Assim caminha a mediocridade...

P.S.: Ainda bem que esta é uma obra de ficção, uma cidade administrada a assim estaria fadada ao caos urbano. 

14 abril, 2017

Sexta...

Como Páscoa no Brasil é sinônimo de chocolate, eis uma sugestão para a sobremesa do almoço de domingo.

Torta quente de chocolate
Ingredientes:
1 massa amanteigada pronta
Morangos para decorar
150 g de chocolate ao leite
40 g de manteiga
3 ovos
40 g de açúcar
1 colher de sopa de café solúvel
80 g de creme de leite fresco
Preparo:
Preaqueça o forno a 180°C.
Forre uma forma de torta com papel manteiga e acomode a massa amanteigada.
Asse a massa durante 20 minutos.
Enquanto isso prepare o creme de chocolate.
Aqueça o creme de leite fresco até ferver.
Fora do fogo, adicione a manteiga, o chocolate em pedaços e o café solúvel. Misture bem.
Quebre os ovos, separe as gemas das claras.
Adicione as gemas ao creme.
Bata as claras em neve com o açúcar e adicione-os à mistura de creme.
Após o cozimento da massa, retire-a do forno, coloque-a em um prato e cubra com o creme de chocolate.
Alise a superfície e decore com os morangos.
Sirva imediatamente.
Sugestão: sirva uma fatia acompanhada de uma bola de sorvete de creme.


Bom final de semana e feliz Páscoa!

12 abril, 2017

Pingos sem is...

Quarta...

Como devem saber a corrupção no Brasil tem início com a chegada dos portugueses em 1500, quando ludibriavam os índios, avolumou-se com a vinda da família real em 1808, especializou-se no século XX, chegando a expertise no século XXI.

Qual país do mundo (não vale as ditaduras) pode “orgulhar-se” de ter os seus últimos 5 presidentes mais o atual envolvidos no mar de lama da corrupção?
Sendo que a usurpação do dinheiro público cresceu desmedidamente nos últimos 13 anos, parafraseando o corrupto mor, “nunca, na história deste país, se roubou tanto em tão pouco tempo”.

Ele deveria ter a coragem??? do Nicolás Maduro e passear pelo centro de São Paulo em carro aberto, pelo menos tem uma vantagem, na avenida Paulista não tem pedras para arremessar como aconteceu na Venezuela.

E não se iludam, se o MP continuar apurando muito mais aparecerá; principalmente se continuarem a investigação até as bases da pirâmide governamental, passando pelos Estados, chegando aos municípios.
Conheço um que gasta milhões com a saúde e ela não melhora 1%, aliás, piora.
Será que não tem algo errado nesta conta?

Assim caminha a mediocridade...


Mais uma receita com bacalhau aqui.